Agent Carter 1x01/02 - ''Now is Not the End/Bridge and Tunnel'' [Review ]

10 de jan de 2015

 
Quando foi anunciado que teríamos uma série de espionagem pós-guerra com a agente Peggy Carter (Hayley Atwell), confesso que não fiquei tão empolgada. Eu amo o universo Marvel,  porém, como a primeira temporada de Agent's of Shield não foi lá essas coisas eu achei que essa série (de 8 episódios) não seria tão interessante.... e como eu estava errada! Essa marca a primeira série protagonizada por uma mulher, e que mulher, Peggy é forte, determinada, badass e linda.

O momento em que pressenti que a série tinha potencial foi quando Peggy caminha em sentido contrário aos homens usando um chapéu vermelho deslumbrante!


Agent Carter começa relembrando a história entre Steve Rogers e Peggy, eu até achei que veríamos a protagonista chorando por seu querido Capitão, ou que ela teria o mundo a seus pés depois de tudo que ela fez durante a guerra, mas não! Na guerra eles precisavam de todos - inclusive das mulheres -  mas agora que a guerra acabou e as pessoas estão de volta a suas vidas ''normais'', a mulher não tem tanto espaço em um mundo machista, inclusive os companheiros da S.S.R. (antecessora de Shield) jogam na cara de Peggy que ela só está lá por ter sido a namoradinha do Cap, quando na realidade ela já era uma agente extremamente eficiente antes do Capitão aparecer!

Nesse mundo a agente é tratada como uma secretária, sendo excluída das missões que aparecem. Porém, graças a Howard Stark ela volta a ter um propósito na vida! A premissa dessa série se baseia em Stark. Ele teve sua casa roubada e que fez isso levou seus bebês ruins (invenções muito perigosas para serem vendidas), mas o governo acredita que ele na verdade vendeu sua tecnologia para outros países, e como ele resolveu desaparecer para procurar suas invenções virou um fugitivo e somente Peggy pode ajudar a limpar seu nome.

A participação de Dominic Cooper no papel do pai do Tony Stark foi maravilhosa, eu sempre quis saber um pouco mais sobre a história dessa visionário que criou tantas coisas maravilhosas, e perigosas, e em Homem de Ferro isso não é tão explorado.

Peggy ganha um parceiro, Edwin Jarvis, mordomo fiel de Stark, interpretado por James D’Arcy. E eu devo dizer que amei o fato de a inteligência artificial que trabalhará para Tony ter sido baseada no mordomo de Howard. E que química Jarvis (pessoa) e Peggy têm juntos, enquanto ela é a parte séria e durona do show, ele é a parte frágil, com senso de humor e que precisa estar em casa as 21h para ir dormir com sua mulher! 

Temos também Angie (Lyndsy Fonseca) que é uma aspirante a atriz que quer desesperadamente ter uma amiga e busca isso em Peggy. 

Essa série se passa no ano de 1946 e é muito bem feita, desde de o cenário, os carros, os figurinos, cabelo e maquiagem, enfim, cada pedaço necessário para passar a informação do ano foi pensado com bastante cuidado. O roteiro é bem desenvolvido e a trilha sonora perfeita em todos os momentos. 

A série se mostrou sólida tendo possivelmente aprendido com os erros de Shield e eu estou muito curiosa para saber como será criada Shield e quem além de Carter e Howard ajudarão a fundá-la, já que sabemos que Hydra estava envolvida desde sua fundação.

Ps: O programa de rádio do Capitão América foi algo perfeito, eu amei esse detalhe, ainda mais que aquela era a época em que o rádio dominada!

Ps2: Alguém mais adorou a presença de Anton Vanko, um dos criadores do arco reator com Howard Stark e pai do Chicote Negro, vilão do Homem de Ferro 2?

0 comentários:

Postar um comentário

 

Posts Comments

©2006-2010 ·TNB