Paul Rudd e Jason Segel comentam sobre"I Love You, Man"

6 de jun de 2009


Paul Rudd e Jason Segel tiveram pouco tempo de tela em "Ligeiramente gravidos" e "Ressaca de Amor ", mas em seu novo filme "I Love You, Man", que estréia essa semana, os dois comediantes compartilham um "Bromance" na telona. Rudd interpreta Peter Klaven, um homem que passou a maior parte de sua vida concentrado em seus relacionamentos amorosos no lugar de sua amizade com homens. Então, quando ele pede em casamento sua namorada Zoey (Rashida Jones), ele tem que enfrentar um dilema que muitos homens tem: Quem será seu padrinho? Ele conhece um homem chamado Sydney (Segel) na busca de encontrar um melhor amigo e enquanto os dois parecem se dar bem, eles descobrem que talvez eles tenham sido feitos um para o outro...er, em termos de amizade.

O site cinecon conversou com ambos, Paul e Jason,
recentemente em uma coletiva de imprensa em Nova York. Confira a matéria traduzida por mim:
Q: Vocês dois se deram bem enquanto trabalhavam em ‘Ressaca de Amor’?

JASON: Começou durante ‘Ligeiramente Grávidos’, também nós não tivemos muito tempo de tela, mas nós estivemos muito no set juntos. E depois, ‘Ressaca de Amor’ foi muito legal, era um ambiente isolado e nós estávamos gravando no mesmo hotel, nós ficávamos até depois das gravações todos os dias passando tempo no bar da piscina e realmente começamos a conhecer um ao outro melhor, também acho que foi onde nós tivemos uma chance de se aprimorarmos bastante juntos e acredito que nós dois sentimos como se fossemos um bom contraste um para o outro.
Eu acho que nós nos complementamos como atores e então uma vez que você conhece os ritmos de alguém assim é um pouco como um time de basquete que joga junto há 5 anos. Eu sei onde Paul vai estar quando eu precisar fazer um passe sem olhar e ele sabe que eu pegarei a bola e enfiarei dentro.

PAUL: Em todo caso eu sou horrível em basquete.

JASON: Ele nem ao menos entendeu minha analogia.
Q: Seus personagens são fãs explícitos de Rush e vocês dois se uniram com isso. Você foram fãs de Rush enquanto cresciam?

 
PAUL: Eu era.

JASON: Eu também era. Eu pude conhecer Rush durante "Freaks and Geeks". Eu sou um pouco jovem para te-los conhecidos em seu auge, assim, eu aprendi sobre eles em "Freaks and Geeks". 

PAUL: Ao crescer eu na verdade era de certo modo ligado em NewWave Music. Rush era o tipo de banda que os rapazes da minha escola, que me assustavam e que poderiam facilmente me dar uma surra, escutavam. Eu me lembro quando era um garoto pequeno também ter visto Geddy Lee em ‘Tom Sawyer’* e o achei particularmente assustador. Mas a medida que fui crescendo comecei a apreciar o musicalismo. Eu meio que comecei a curti-los. Eu me lembro de escutá-los e fazer do tipo ‘Cara, Red Barchetta*!’. Então quando eu escutei que eles estariam nesse filme eu fiquei muito empolgado e super nervoso de conhecê-los, não porque eu estava com medo deles, porque eu não tenho mais medo deles, mas eu estava muito entusiasmado. Eles eram ótimos, ótimos rapazes e foi tão maneiro eles terem dito sim.

JASON: Eles são a banda perfeita para dois caras se ligarem e alienarem uma mulher. Quantas mulheres gostam de Rush?

Q: Esse filme mudou o modo que vocês sentem sobre amor de homem? Vocês se acham mais carinhosos com seus outros amigos homens?


JASON: Paul e eu nunca tivemos um caso desse tipo. Eu não sei. Nós não somos caras do tipo macho alfa.

PAUL: Eu acho que a maioria dos meus amigos de toda minha vida, nós somos capazes de demonstrarmos nossas afeições uns pelos outros um pouco e poderíamos não ser considerados macho alfa.


JASON: Quando Jon Favreau estava fazendo o filme uma entrevistadora foi ao set e Paul e eu estávamos lá e Jon Favreau estava sendo entrevistado e ela perguntou para ele: ‘Então você se considera o cara de um cara?’ e ele olhou para Paul e eu e disse: ‘Nesse grupo sim’.

Q: Quem fazia mais o outro rir?


JASON: Nós certamente fazíamos um ao outro rir muito. Eu também rachava em como Paul ria nas referências que ele pensava.

PAUL: Eu acho que Paul rachava com ele mesmo na maior parte. Há muitas, muitas coisas. Eu fazia todos rirem. Hugo me matava de rir quando me irritava com o mictório’. Jason continuava fazendo o brinde e introduzia de maneiras diferentes toda vez. Ele dizia: ‘ Vamos dar um aplauso para a comida’- e eu perdia o controle. Eu achei nesse filme mais que qualquer coisa que se eu começasse a rir eu simplesmente não poderia parar.


JASON: O que eu mais me lembro é a cena do termino entre Paul e eu, a qual eu simplesmente achei ter sido uma brilhante cena, a propósito, diferentemente de ter uma cena de termino apropriada entre dois amigos, eu achei que era justamente muito engraçado e quando chegou à parte de devolver o [Lost: 2º Temporada] DVD de volta. Levou 45 minutos para Paul ser capaz de filma-lo sem rir. 

PAUL: Mas a razão foi esta: É a severiedade e seriedade e dizendo ‘aquela escotilha’. É uma coisa simples. Não seria tão engraçado se fosse ‘a escotilha’. Foi tão absurdo que nós estavamos terminando e ela só estava curiosa sobre o que acontecia naquela escotilha.

JASON: O que me fez rir é que eu nunca nem vi Lost.

PAUL: Eu vi e eu sei o que isso significa. Em todo caso, muitas outras pessoas na equipe assistiram ‘Lost’ e sabiam o que eu estava dizendo e ainda sim não acharam engraçado.

Q: Há coisa que você passou quando era criança que fizeram você se identificar mais facilmente com este personagem?



PAUL: Oh, sim. Eu acho que ter de mudar para diferentes cidades, ambos dos meus pais são britânicos e eu sou judeu e cresci no centro oeste. Então é como que você tem que se adaptar. Meu pai é hilário e minha mãe também. Eu tive uma irmã que nasceu dois anos e meio depois de mim e eu soube que tinha que fazer alguma coisa para chamar a atenção e isso foi provavelmente quando eu comecei a fazer isso, como por exemplo, talvez se eu fizesse esta dança boba meus pais iriam rir. 

JASON: Eu tive sorte porque eu me juntei ao time de basquete quando tinha 15 anos porque eu era desenfreadamente alto. Há um tipo de panela em grupos de amigos, o qual meio que se relaciona de volta ao filme, se você não tem essa coisa onde você vai fazer amigos? Era um grupo fechado de amigos; nós ficávamos juntos por 4h por dia depois da escola. Vocês se tornam amigos. 

Q: Em que momento da sua vida você soube que eram feitos para comedia?

JASON: Eu tenho 1,93m desde os 12 anos de idade. Você tem duas escolha. Quando tinha 12 anos as crianças faziam um circulo a minha volta e uma delas pula em minhas costas gritando ‘ Monte no tonto! Monte no tonto‘ Estes são os momentos na vida onde você tem dois caminhos. Você pode se tornar um verdadeiro imbecil ou um cara engraçado. Minha escola foi ser engraçado.

PAUL: Eu me mudei muito quando criança e eu queria fazer amigos, qualquer coisa do tipo traumático, eu sempre lidava através de humor. Sempre fui atraído por coisas cômicas e engraçadas. Eu gostava de assistir comedias e comediantes e coisas do tipo. Eu não era forte em nenhum sentido ou agitado. Eu queria jogar futebol americano, mas minha mãe me disse que meus osso estavam crescendo. Você tem que ser engraçado se esse for o caso. 

JASON: Eu também usei uma capa do super homem sob minhas roupas até completar 12 anos. 

Q: Vocês acabaram de serem fotografados para o Vanity Fair e as pessoas estão rotulando vocês como as novas lendas da comedia. Como vocês se sentem a esse respeito? 

JASON: Eu me sinto como se fosse um exagero total. Eu fiz um sucesso e meio de filmes [risos]. Isso não faz uma lenda. É uma ótima noticia e muito lisonjeiro...

PAUL: Eu acho que ficamos todos honrados por eles terem pedidos para que nós aparecêssemos na revista, ainda mais na capa.

JASON: A coisa que é mais excitante pra nós é que nos conhecemos há muito, muito tempo e muitos de nós lutamos juntos. Eu conheci Seth [Rogen] no dia em que ele desceu de avião do Canadá. Jonah [Hill] e eu basicamente fizemos escola juntos; nós freqüentamos diferentes escolas, porém tinhamos somente um ano de diferença na mesma cidade. O fato de que todos nós sobrevivemos a tempos difíceis foi a coisa que mais me emocionou quando eu vi a capa, [o sentimento de] ‘UAU! UAU. Nós conseguimos um pouco’. 

Nunca há um sentimento, não penso como um ator ou como um ser humano, eu não acho que você alguma vez tem o sentimento de sucesso. Eu não acredito em nada disso. Eu acho que não importa o quão bem você esteja se saindo sempre há pessoas que você ainda admira. Como eu muito admiro Paul Rudd e quero conseguir os papeis que ele consegue. E eu estou vindo por você [risos]. 

‘I Love You Man’ estreia está semana

Fonte:
cinecon
Notas:
* Tom Sawyer é a personagem principal dos livros infantis de Mark Twain, que é considerado o pai da literatura americana moderna.
* Red Barchetta é uma musica do álbum Moving Pictures da banda Rush.

0 comentários:

Postar um comentário

 

Posts Comments

©2006-2010 ·TNB